domingo, 13 de maio de 2018

Mais do que borboletas na barriga (III)*





(Eu não tenho borboletas na barriga... eu tenho um autêntico fogo de artifício a sair-me por todos os poros da pele...)

* E Xangai à minha espera...

quinta-feira, 10 de maio de 2018

segunda-feira, 23 de abril de 2018

sábado, 7 de abril de 2018

A nossa Estrela

A Serra do meu pai na felicidade do meu filho...





quinta-feira, 5 de abril de 2018

sexta-feira, 16 de março de 2018

Manhã (tão) serena...



Ainda dizes "fanhaste" em vez de "falhaste". E "eu di..." em vez de "eu dei..." Refilas com este mundo e o outro, és um indignado com a vida (quando não corre como tu queres, claro...) e estás cada vez mais argumentativo. Chamas-me velha todos os dias. E gorda. Só para me veres fingir zangada.
Mas as nossas manhãs estão cada vez mais serenas. Acordas e vens ter comigo de mansinho, eu finjo que me pregaste um susto e que não estava à tua espera. Tu ris muito. E eu adoro o teu riso. Tomas banho com tempo para estares debaixo do chuveiro só a sentir a água quente, e a fazeres desenhos com os dedos no vidro da banheira. Embrulho-te na toalha e enxugo-te sentado no meu colo, depois de te envolver num abraço imenso e te encher de beijos no queixo. Tomamos o pequeno almoço com calma, enquanto vais falando e contando histórias. Descemos as escadas de mão dada e a conversar. Conduzo até à escola enquanto vais fazendo perguntas e dando respostas inabaláveis do alto dos teus cinco anos e meio. Estás cada vez mais falador. E eu continuo a derreter-me a ouvir-te. Só a ouvir-te. (E a ver-te crescer).